Carros Telecomandados

Setembro 05 2010

As baterias dos Carros Telecomandados, saiba mais um pouco sobre elas.

 

Normalmente usa-se em autos RC baterias de NiCD e NiMH, respectivamente Nickel Cadmium e Nickel Metal Hydride. As duas são parecidas, com excessão de que as NiMH conseguem armazenar mais carga e não sofrem o efeito memória - aquela velha história de que precisa descarregar totalmente a bateria antes de carregar novamente.

Usamos as pilhas em "packs", ou seja, várias pilhas (cells, normalmente traduzidas erroneamente para células) de normalmente 6 ou 7 pilhas. Cada uma fornece "oficialmente" 1,2v, mas não se assuste se, após carregar, elas estejam perto de 1,6v, isso é totalmente normal.

Então um pack de 6 células = 7,2v e 7 células = 8,4v

A voltagem (tensão) vai variar de acordo com seu motor, ESC e principalmente com as regras da corrida que vai participar. Se deixarem vc usar um pack de 12 células, vai fundo, mas não vá acabar torrando tudo!!! 

A capacidade dos packs é indicado em miliampéres-hora, ou simplesmente mAh. Isso indica, se for uma descarga constante, quantos mAh a bateria consegue fornecer no máximo em 1 hora. Por exemplo:

1500 mAh = ela pode fornecer 1500 mA durante uma hora. (1000 mA = 1 A)

O fato é que um motor que consuma apenas 1,5 A vai terminar a corrida em último lugar, com 200 voltas de desvantagem pro líder. Os motores costumam consumir muito mais que isso, então como a bateria aguenta?

Elas contam com uma propriedade chamada "capacidade de descarga", que permite que o motor "puxe" delas uma corrente muito maior que a capacidade escrita no pack. Exemplo:

Bateria: 1900mAh
Discharge rate: 5-15 amps (ampéres)

Significa que essa bateria pode fornecer no máximo 15.000 mA (15 A). Como 1900mA acabam a bateria em 1 hora, 15 A é um consumo 7,8 vezes maior que isso, então chegamos à conclusão que nesse ritmo a bateria ia durar entre 7 e 8 minutos (60 minutos dividido por 7,8).

É simples: 1000 mAh = 2000 mA em meia hora, ou 4000 mA em 15 minutos, e assim por diante.

Agora vem a surpresa: Infelizmente não é tão simples assim. O consumo do motor é algo que varia, porque temos curvas de alta, curvas de baixa, freiadas fortes, retas intermináveis, etc. A mesma bateria, com pilotagens diferentes, pode durar mais ou menos.

Na bateria fica então marcada sua descarga máxima. Veja este exemplo real: 

Piranha 6-Cell, 1900mAh Assembled Flat Battery Pack.
SPECS: Number of cells: 6 (número de células)
Total assembled voltage: 7.2 volts (1.2 v por célula)
Charge rate: 4-5 amps. Timed or peak charge. (tipo de carga)
Discharge rate: 5-15 amps. (capacidade de descarga)
Batteries are Unmatched (explico isto em seguida)

No caso acima, o motor pode consumir no máximo 15A.
Agora vem o bacana: por que eu não posso pegar pilhas recarregáveis do Mercado Livre e montar meu próprio pack?

Oras, teoricamente até pode, desde que ELAS TENHAM UMA BOA CAPACIDADE DE DESCARGA, algo muito raro naquelas pilhas em promoção. Como saber a capacidade de descarga então?

1 - O fabricante informa
2 - Testando na prática

Se o fabricante nem informa, é porque não quer ou não precisa. Isso pode ser devido ao uso das pilhas, por exemplo, pilhas para Discman e brinquedos comuns não precisam de descarga de 15A. Outro motivo para ele não informar pode ser que as pilhas aguentam uma merreca de descarga e ele quer esconder isso.
Testando na prática, você vai ver que o modelo anda normalmente em velocidade baixa (pouca descarga), mas quando se acelera tudo ele se arrasta pela pista. (não aguenta alta descarga).

Então esqueça pechinchas: são se acham células com alta descarga por 2 reais....

Voltando ao exemplo acima (pack Piranha), tem um tal de "Charge rate", que é a carga máxima a se usar para carregar o pack sem danificar a bateria. No caso, no máximo 5A para carregá-la. Carga mínima (4A) é muito relativo, você até pode carregar com 1A por exemplo, simplesmente vai demorar mais...

Ainda se lê no exemplo "Batteries are Unmatched", significa o seguinte: cada célula tem um comportamento diferente, uma variação mínima de tensão e corrente. Imagine um pack com 6 células:

Célula 1: 1950mAh, 1,17v
Célula 2: 1870mAh, 1,27v
Célula 3: 1877mAh, 1,21v
Célula 4: 1930mAh, 1,18v
Célula 5: 1877mAh, 1,11v
Célula 6: 1905mAh, 1,19v

Alguns podem pensar "que merda de pack, tá tudo diferente", mas perceba que a variação entre as células não é grande, então esse pack pode ser vendido sem problemas como 1900mAh e 7,2v, mas como "UNMATCHED". Agora, existem as baterias "matcheds", onde o fabricante tenta "casar" o máximo possível as células na montagem do pack (só usa as células "filé"), para ter um pequeno ganho de desempenho. Se compensa financeiramente, aí já é outra história...

fonte:rceletrico

publicado por adm às 20:17
Tags:

Setembro 05 2010

O Speed Control é uma das partes mais fundamentais dos Carros Telecomandados, saiba mais um pouco sobre o Speed Control

 

Um rádio básico vem com:
- transmissor
- receptor
- 2 servos

Quando você aperta o "gatilho" do acelerador, o transmissor converte isso em um sinal e envia via rádio. O receptor recebe o sinal de todos os canais (no caso, um canal para a direção e outro para aceleração/frenagem/ré) e "envia" para cada controlador, que podem ser servos ou ESC´s.

Deixemos de lado o servo da direção: você vira o volante, o servo vira a direção, pronto!

Voltando ao acelerador: como pegar o sinal e movimentar o motor?

A idéia inicial remete ao autorama: o canal do acelerador também é controlado por um servo (igual à direção!), que aciona um CONTROLADOR DE VELOCIDADE, que nada mais é do que uma espécie de "potênciômetro" parecido com o controle de volume do seu rádio mais antigo.

Só que normalmente não tem todas as variações igual ao volume do seu rádio. É comum um controlador de velocidade mecânico ter 4 velocidades - algo como 3 velocidades para a frente, e a ré - o que o faz ficar mais parecido com seu liquidificador. É feito assim porque uma resistência igual à do autorama desperdiça muita energia - problema que o autorama não tem, já que não usa baterias!

Então alguém percebeu que o controlador mecânico desperdiça muita energia, porque ocorre um caminho tortuoso: o sinal chega no receptor eletronicamente, é convertido em energia mecânica pelo servo, que aciona o controlador de velocidade, para liberar a energia elétrica pro motor, que vai pegar essa energia e transformar em rotação - energia mecânica! UFA!

Inventaram então o ESC - Electronic Speed Control

Na teoria, tudo o que ele faz é pegar o sinal PWM do receptor e converte isso na quantidade de energia que é liberada para o motor, usando um transistor do tipo MOSFET.

Então não há a mudança eletrônica - mecânica - eletrônica descrita acima - Muito mais inteligente, então todos os componentes saem ganhando.

Claro, tem um preço... um Speed Control mecânico normalmente vem junto com seu kit, já um ESC custa a partir de uns R$ 150....

Os ESC´s (não se esqueça que ESC é só o eletrônico!) são categorizados pelos motores que eles suportam, por exemplo:
1 - 20T ou superior
2 - 10T ou superior
3 - Sem limite de voltas

Lembrando que quanto menor o número de voltas do motor, mais "forte" ele é, logo precisa de um ESC mais animal. (e mais caro)

Os ESCs ainda podem te ajudar com:

- BEC - Battery Eliminator Circuit - permite que você alimente o receptor através do próprio ESC, eliminando uma bateria à parte pra ele (nota: alguns receptores têm BEC, então isso tanto faz)
- Freio - sim, alguns ESCs possuem freio - não é milagre, simplesmente eles usam a energia que o motor gera quando o carro está no "embalo" para freiar ele mesmo, uma solução muito inteligente.

E outras coisinhas mais, alguns ESC´s permitem até programar seu comportamento! Mas este é o básico:

- Sem ESC, você precisa de um controlador mecânico e um servo
- Com ESC, elimina-se um servo e seu carro agradece

Electronic Speed Control (ESC) - Electronic speed controls replace the mechanical speed control and servo providing enhanced power efficiency and precision in an electric R/C car or boat. In addition, they are lighter which improves the performance of some electric models.

fonte:rceletrico

publicado por adm às 20:10

Setembro 05 2010

A  suspensão dos Carros Telecomandados saiba como poder tirar partido duma afinação eficiente.

 

Suspensão: uma das regulagens mais importantes do automodelismo, 
principalmente o elétrico, onde corridas de stock não tem regulagens no 
motor, por exemplo. As suspensão pode fazer a diferença.

As regulagens básicas de qualquer carro (de verdade) são:

- Convergência
- câmber (ou cambagem)
- cáster

Claro que nem todas estas regulagens existem em todos os automodelos!

Convergência é a abertura horizontal entre duas rodas de um mesmo eixo.

Se mais afastadas na frente, a direção é divergente;

Se mais abertas atrás é convergente


Câmber, ou cambagem, é o posicionamento vertical das rodas. É positivo se as rodas convergem para baixo, ficando mais distantes no topo; negativo se ficam mais distantes no ponto de contato com o solo, convergindo para cima; e neutro ou nulo, se ficam perpendiculares ao solo.


Cáster é o ângulo de inclinação do eixo do pino-mestre, que fixa a roda à suspensão, em relação à vertical e ao eixo longitudinal do veículo. Influi 
diretamente na estabilidade direcional: quanto maior o efeito do ângulo de cáster, mais intensas serão as forças de realinhamento da direção após as curvas.

Outro benefício ocorre nas curvas, quando um cáster elevado torna mais negativa a cambagem da roda externa e mais positiva a da interna. Em contrapartida, um cáster menor faz a direção ficar mais leve. A diferença entre as rodas também é importante: cáster muito desigual faz a direção puxar para o lado em que o ângulo é menor. 


Nem só de ângulos vive a regulagem. Quando se anda em pistas (pelo menos um pouco) irregulares, quem realmente entra em cena são as MOLAS e os AMORTECEDORES.

São três as molas mecânicas usadas em automóveis: a de flexão, em que uma lâmina ou mais juntas se flexionam (semelhante à dianteira do chassis F103 e à traseira do Mini-z); a de torção, situação descrita pelo próprio nome (nunca vi em automodelos); e a helicoidal, que pode ser considerada uma mola de torção enrolada (a maioria dos automodelos). O que caracteriza a torção é uma seção infinitamente pequena se torcer em relação à outra, e isso ocorre tanto na barra ou lâmina de torção quando na mola helicoidal. 

Nota: No chassis F103, a própria suspensão atua como mola, diferente do TA03, onde foi utilizado molas helicoidais.

Os amortecedores são um show à parte: se nos modelos não é preciso gerar conforto (ehehehehe), ficam com sua função principal: "frear" os movimentos que as molas permitem - se eles não existissem, o balanço decorrente da passagem sobre uma irregularidade não cessaria, prejudicando o controle.

Engano freqüente é considerar o amortecedor responsável pela rigidez da
suspensão em curvas, ou seja, um amortecedor mais duro traria ganho 
proporcional em estabilidade. Não é bem assim, pois a tarefa de controlar a inclinação da carroceria em curvas é das molas, auxiliadas ou não por barras estabilizadoras (que muitos modelos possuem em ambos os eixos, outros em um só, e alguns não possuem). 

Nos automodelos, pode-se mudar a reação do amortecedor com diversos
silicones de viscosidades diferentes.

Óleos mais "grossos" (maior viscosidade) tendem a deixar o amortecedor mais duro, mas podem atrapalhar o movimento normal da suspensão, deixando o auto "pulando"
Óleos mais "finos" provocam o contrário, mas cuidado que podem ficar tão macios que sua ação será menor do que a necessária.


Também pelo tipo de suspensão, dá pra se ter uma idéia de como o carro tende a se comportar.

Suspensões com eixo rígido, como o F103 e o Mini-z, são bem mais simples de se fabricar e manter, mas têm alguns inconvenientes: uma oscilação sofrida por um lado chega ao outro, gerando instabilidade, e ao passar em uma oscilação o maior peso não-suspenso (até o motor se encontra na mesma área do eixo!) faz a suspensão traseira "pular". 

Outras soluções, como a de braços sobrepostos e multibraço tendem a dar muito mais estabilidade para o modelo, além de regulagens mais completas.

Por fim, as famosas barras estabilizadoras:

A barra estabilizadora, ou simplesmente estabilizador, consiste em uma 
ligação entre as suspensões das duas rodas de um mesmo eixo, com o fim de estabelecer um vínculo entre seus movimentos. Em uma curva, com a inclinação da carroceria (rolagem), as rodas externas à curva tendem a comprimir as respectivas molas, enquanto as externas à curva tendem a se afastar da carroceria, distendendo suas molas.

É aqui que entra o estabilizador: ao "amarrar" com certa flexibilidade as 
rodas interna e externa de cada eixo, ele as mantém mais niveladas, reduzindo a inclinação da carroceria. Existem estabilizadores de diferentes bitolas, quanto mais grossa a bitola maior a "amarração" de um lado para outro. A avaliação prática é o melhor meio de verificar se um estabilizador está ajudando ou atrapalhando. Ocorre que, quando menor a rolagem (graças ao efeito do estabilizador ou de molas mais duras), maior a tendência daquele eixo a desgarrar, a sair em curvas. E dá-lhe rodada!
Fonte:rceletrico

publicado por adm às 19:55

Setembro 04 2010

*** Turns (voltas) ***

Indica o número de vezes que o fio é enrolado em volta de cada braço da armação do motor. Motores com menos voltas conseguem maiores RPM´s (da mesma forma que uma resistência de chuveiro curta esquenta mais), cosneguindo maiores velocidades (RPM). Também irá consumir muito mais, encurtando a duração da bateria.

A analogia com a resistência do chuveiro é perfeita: na posição quente, o comprimento da resistência é menor, gerando mais calor e consumindo mais energia. Na posição verão (morno), o comprimento é maior, esquentando e consumindo menos.

A marcação do motor é feita com um T (turns) na frente do número de voltas: 19T, 20T, e assim por diante...


*** Winds ***

Refere-se ao número de fios que são enrolados em cada "braço". Mais fios, maior a inércia, então o motor vai demorar mais para atingir sua rotação máxima. Por outro lado, mais fios significam maior corrente passando, então maior velocidade final conseguirá atingir. Normalmente prefere-se o menor número de winds e turns, para que o motor consiga maiores RPMs com a menor inércia possível, ou seja, dando uma aceleração mais rápida.

Um único fio de prata, por exemplo, enrolado o menor número de vezes possível, resultaria num motor com bom arranque e ótima velocidade final. Por outro lado, 2 fios de cobre (condutor pior que a prata) enrolados com o mesmo número de voltas resultaria num motor um pouco mais lento de arrancada. (apesar de terem o mesmo número de T´s)

Da mesma forma, ainda aproveitando o exemplo acima, dois motores com o mesmo material (cobre por exemplo) mas com winds diferentes também possuem performance diferente: como o material é o mesmo, o com maior wind tende a possuir maior RPM, e o com menor wind melhor arrancada - até que ponto isso vai te fazer ganhar a corrida, é outra história.

Perceba que não há simplesmente "melhor e pior" winding: ganha-se de um lado, perde-se do outro.


*** Timing ***

Pode-se adiantar o tempo dos motores elétricos da mesma forma que motores à explosão. Alguns motores permitem que seu timing seja modificado girando-se em poucos graus a tampa onde são fixadas as escovas, visando obter maior performance. Isso acontece porque motores com timing neutro não tem nenhum avanço no ciclo positivo-negativo, ou seja, só na hora em que um ciclo acaba é que o outro começa. Adiantar o timing permite que um ciclo comece "por cima" do outro, obtendo maior performance. Mas perceba: a maior performance só virá num sentido, você deixará a ré uma porcaria!!! Se bem que (espero eu) vc não costuma correr de ré



Classes de motores: existem duas classes básicas:

Stock: se seu modelo veio com um motor, provavelmente é um stock. Motores stock precisam correr como são: nenhuma modificação é permitida.

Modified: requerem uma maior corrente para operarem e devem ser usados apenas com speeds eletrônicos. Alguns são equipados com rolamentos e timing ajustável, permitindo ajustes. Normalmente oferecem maior velocidade e torque que os stocks, e acabam com sua bateria mais rapidamente também.
fonte:rceletrico

publicado por adm às 12:17

Setembro 04 2010

LRP Vector X11:

X-11 3.0 = 11.400kV
X-11 3.5 = 9.800kV
X-11 4.0 = 8.600kV
X-11 4.5 = 7.800kV
X-11 5.5 = 8.100kV
X-11 6.5 = 6.900kV
X-11 7.5 = 5.900kV
X-11 13.5 = 3.350kV


LRP Vector X12

X-12 3.0 = 11.600kV
X-12 3.5 = 10.000kV
X-12 4.0 = 8.800kV
X-12 4.5 = 7.900kV
X-12 5.5 = 6.300kV
X-12 6.5 = 5.400kV
X-12 7.5 = 4.700kV
X-12 8.5 = 4.200kV


Novak SS/EX/Velociti etc

3.5BL = 10.500kV
4.5BL = 9.000kV
5.5BL = 7.400kV
6.5BL = 6.400kV
7.5BL = 5.800kV
8.5BL = 5.000kV

3.5R = 10.500kV
4.5R = 9.000kV
5.5R = 7.400kV
6.5R = 6.400kV
7.5R = 5.800kV
3.5L = 10.300kV
4.5L = 8.200kV
5.5L = 6.800kV
6.5L = 5.900kV
7.5L = 5.400kV

SS8.5 = 5.000kV
SS10.5 = 4.200kV
SS13.5 = 3.300kV
SS17.5 = 2.200kV
SS21.5 = 1.800kV

8.5 (SS5800) = 5.000kV
10.5(SS4300) = 4.200kV
18.5(CRAWLER) = 2.700kV
21.5(CRAWLER) = 1.800kV

4.5HV = 5.000kV
5.5HV = 3.700kV
6.5HV = 3.400kV
7.5HV = 3.000kV

8.5 MICRO = 9.000kV
10.5 MICRO = 7.300kV
13.5 MICRO = 6.000kV
18.5 MICRO = 4.400kV

6.5 DRIFT = 5.700kV
7.5 DRIFT = 5.200kV
8.5 DRIFT = 4.500kV

EX8.5 = 5.000kV
EX10.5 = 4.200kV
EX13.5 = 3.300kV

HAVOC 8.5 = 5.000kV


Reedy Neo-One

4-Star = 7.400kV
3-Star = 6.400kV
2-Star = 5.800kV
1-Star = 5.000kV


SPEED PASSION

2.5 = 12.100kV
3.5 = 8.200kV
4.0 = 7.600kV
4.5 = 7.200kV
5.5 = 6.200kV
6.5 = 5.100kV
7.5 = 4.500kV
8.5 = 4.000kV
9.5 = 3.400kV
10.5 = 3.200kV
11.5 = 3.000kV
13.5 = 2.800kV
17.5 = 2.600kV
21.5 = 2.000kV


TEKIN

2.5 = 11.400kV
3.5 = 10.200kV
4.5 = 8.800kV
5.5 = 7.200kV
6.5 = 6.200kV
7.5 = 5.500kV
8.5 = 4.800kV
9.5 = 4.200kV
10.5 = 3.470kV
13.5 = 2.700kV
17.5 = 2.150kV
21.5 = 1.750kV


Castle Creations CM36

S9000 = 9.000kV = 3.5
S7700 = 7.700kV = 4.5
S6900 = 6.900kV = 6.5
S5700 = 5.700kV = 7
S4600 = 4.600kV = 8.5


Traxxas

VELINEON 3500 kV = 13.5

Feigao

540 6L = 4,116 kV
540 7L = 3,566 kV
540 8L = 3,201 kV
540 9L = 2,887 kV
540 9L = 2,887 kV
540 10L = 2,602 kV
540 11L = 2,326 kV
540 12L =2,159 kV
540 13L = 1,890 kV
540 14L = 1,755 kV 
380C-7T = 5820kv = 7t
380C-8T = 4934kv = 8t
380C-9T = 4386kv = 9t


Ez-run
(2030 - Micro)
18T = 5200Kv
12T = 7800Kv

(Can 540 size, armature 380)
9T = 4300Kv
10T = 3900Kv
12T = 3300Kv
13T = 3000Kv
32T = 1800Kv

(True 540 size)
5.5T = 6000Kv
8.5T = 4000Kv
17.5T = 2300Kv

fonte:rceletrico

publicado por adm às 12:12

pesquisar
 
Pesquisa personalizada
subscrever feeds
links